Dom Waldyr Calheiros - Volta Redonda

Dom Waldyr Calheiros completaria 97 anos na quarta, 29/07.

“Que Beleza! Uh! Hi! Acabou!” Expressões usadas comumente por Dom Waldyr Calheiros de Novaes ao expressar seu modo contagiante de alegrar-se junto do povo. ‘Pois é’, se vivo, Dom Waldyr, no dia 29 de julho, completaria 97 anos de vida.

O Movimento Ética na Política (MEP-VR), na referência à data faz memória ao pastor e profeta a partir de escutas a diferentes cidadãos. Fica o meu agradecimento às pessoas pelos testemunhos. Alguns, ficaram notadamente emocionados nos vídeos e áudios enviados com elementos da memória e história do ícone Dom Waldyr Calheiros, que ofereceu sua ‘imunidade religiosa’ em defesa dos Direitos Humanos. Vale lembrar, em 1996, Dom Waldyr provocou o surgimento do MEP ao convidar Chico Whitaker, da Comissão Brasileira Justiça e Paz (Brasília), para falar com animadores de comunidades sobre ‘política e fraternidade’ em Volta Redonda, no ano seguinte o Movimento foi nasce. Gratidão.

DEPOIMENTOS INÉDITOS

“Dom Waldyr, um homem de Deus, um pastor dos pobres e para os pobres. Agradeço a Deus por ter conhecido (1969) e convivido com ele. Fica a minha gratidão e de toda a minha família.” Judith Virginia Muniz, secretária, depois tesoureira na Cúria Diocesana, trabalhou 34 anos, sendo 18 ao lado de Dom Waldyr. Residente em Arrozal, Piraí.

“Lembrar Dom Waldyr é lembrar seu profetismo e sua coragem em favor dos desfavorecidos. Com ele aprendi muito mais que nos livros e bancos da faculdade. Dom Waldyr está presente no meio de nós. É referência de profeta, de líder e de pastor.” Regina Célia, professora licenciada do MEP-PVC, atuante na Comunidade Eclesial Santa Cruz, em VR.

“Eu costumo dizer, com muito orgulho, que sou um discípulo de Dom Waldyr Calheiros. Tudo que eu não aprendi nos bancos da faculdade, em termos de humanidade e discernimento político, eu aprendi na prática com D. Waldyr. Isso é uma dádiva que jamais vou esquecer e vou levar para sempre na minha vida.” Francisco Edson, ex- jornalista dos jornais Diário do Vale e O Dia. Atualmente, assessor de imprensa no Governo do Estado do Rio. Dom Waldyr sempre que tinha um fato relevante a comunicar, e que geraria polêmicas, alertava-me: “Chame aquele menino, o Chico. Ele sempre dá o tom exato das minhas palavras.” Chico trabalha no Rio e reside em VR.

“Dom Waldyr representou para nós a disposição pra luta pela igualdade social. Todos os núcleos de ocupação, toda luta sindical desta cidade se deve ao estilo de Dom Waldyr. Nos momentos mais difíceis da ditadura, sempre esteve a postos para dar guarida a cada um dos perseguidos. Só podemos pedir, onde ele estiver, que continue falando no coração de todos nós a luta pela igualdade, a cidadania e soberania de nossa cidade. Que Volta Redonda e todos nós, com esta mensagem, consigamos honrar Dom Waldyr com espírito de luta e de igualdade. Axé!” Mãe Célia Morais, sacerdotisa no Centro Espirita Nossa Senhora da Guia, Estrada da União, bairro Retiro – VR. Mulher de profundo diálogo inter-religioso, atenta defensora dos DHs.

“Dom Waldyr, o grande profeta da justiça, do amor aos pobres e à causa do evangelho. Que o exemplo de Dom Waldyr seja repedido por todos nós. Homem simples, corajoso, amante da vida e dos pobres. Que Deus abençoe a todos nós.” Pe. Juarez Sampaio, pároco na cidade de BP, o último sacerdote a ser ordenado por Dom Waldyr Calheiros, quando ainda titular na Diocese. Pe. Juarez é conhecido na região pela sua inserção nas atividades ligadas à cultura de justiça e paz.

“Dom Waldyr, um grande profeta que viveu na região Sul Fluminense e tanto ajudou na libertação do povo. Posso dizer que ele foi alguém que me ensinou muito a lutar pelo povo, a entender que fé sem solidariedade não existe. Muito obrigado, Dom Waldyr, pelo seu compromisso, e que o senhor descanse em paz, ore por nós e interceda pelo povo brasileiro.” Ana Maria Vicente Soares, religiosa franciscana, advogada e fundadora da Casa Paz e Bem em BM. Atuou vários anos como coordenadora Diocesana da Pastoral Carcerária. Reside em BM.

“Convivi com Dom Waldyr por mais de 40 anos. Tenho uma profunda gratidão pelo testemunho de vida que ele nos deu. Ele veio nos ensinar como viver na prática o evangelho de Mt 25, 31-46, se colocando ao lado dos pobres e dos oprimidos. Paz e Bem para todos e todas”. Evaldo Pontes, ex-metalúrgico. Faz parte da Pastoral Operária e do Movimento Fé e Política, membro da Comunidade São Luiz Gonzaga em VR. Evaldo, a partir do ano 2000, ficou ainda mais próximo de Dom Waldyr e o acompanhou até a sua páscoa definitiva no leito do hospital, em novembro de 2013. A lembrança o fez se emocionar profundamente.

“Falar de Dom Waldyr não é falar de uma religioso comum. Dom Waldyr foi um dos religiosos mais importante do país. Na década de 1970, época da ditadura, Dom Waldyr colocou sua imunidade religiosa a serviço dos mais pobres, dos oprimidos, dos perseguidos, dos abandonados, dos aprisionados. Dom Waldyr é um religioso da estirpe de D. Helder Câmara, Dom Paulo Evaristo Arns, Dom Adriano Hipólito, Dom Mauro Moreli, Dom Pedro Cassaldáliga. Enfim, não se trata de um religioso comum. Em nossa cidade, tão importante como o presidente da CSN, o prefeito, era a presença de Dom Waldyr. Nenhuma decisão importante era tomada sem o conhecimento e consentimento de Dom Waldyr. Ele sabia perfeitamente tomar a decisão que favorecia aos mais pobres. Foram diversas vezes que nós celebramos missa de Natal, missa do galo em acampamentos, em vez de celebrarmos nas igrejas cobertas. Celebramos, às vezes, missas sob temporal, colocando a igreja a serviço dos oprimidos. Dom Waldyr tem uma importância muito grande. Ele era um religioso que agregava. Jamais julgava ninguém. Sempre tinha um braço estendido para atender as pessoas, para compreender e para ajudá-las. Dom Waldyr foi, é e será sempre uma referência religiosa, não só para região Sul Fluminense, mas do país inteiro.” Dr. Ricardo Pérsia Nane, médico em VR, de confiança e amigo pessoal de Dom Waldyr. Name o acompanhou durante décadas e, no dia de sua páscoa definitiva, estava ao seu lado.

“Dom Waldyr representou tudo para mim, você não queira saber. Para nossa cidade representou muito mais, você sabe disso! Dom Waldyr marcou aqui seu pastoreio, então fez aqui pelos menos, os menos favorecidos até morte.” Valdair Silva, vicentina e membra da Comunidade Eclesial São Francisco de Assis em VR.

“Um grande privilégio enorme para nós termos como referência de fé e de luta uma pessoa da grandeza de Dom Waldyr Calheiros. Eu aprendi a respeitar e admirar Dom Waldyr dentro de casa, ainda criança, e mais tarde já como jornalista, tive o prazer de passar uma manhã inesquecível ao lado dele, quando aprendi lições inesquecíveis, que vou levar por toda vida. Dom Waldyr Calheiros, presente!” Jader Moraes, ex-aluno do MEP (2005), ex- Diário do Vale e do Governo do Estado do Rio. Atualmente, jornalista econômico, trabalhando e residindo no Rio de Janeiro. Jader, em 2010, salvo engano, no encontro referido com Dom Waldyr, construiu uma excepcional matéria sobre a Dom Waldyr em relação a Comissão da Verdade. A reportagem foi muito elogiada na região e por membros da CBJP, a Comissão Brasileira Justiça e Paz em Brasília.

“Mais do um Bispo D. Waldyr foi um profeta, como o profeta Isaias quando disse: “ Ai daqueles que fazem leis injustas, que escrevem decretos opressores para privar os pobres dos seus direitos e da justiça os oprimidos do meu povo, fazendo das viúvassua presa e roubando dos órfãos”. Aurélio Paiva, ex- Jornais do Vale e Opção, fundador-presidente do Jornal Diário do Vale. Um fato interessante de Aurélio: foi ameaçado de morte pelo ‘esquadrão da morte’, em VR, devido as suas denúncias. Apavorado, pediu ajuda a Dom Waldyr. O Bispo, articulou a Comissão de Direitos Humanos, ligada à Cúria Diocesana, e o secretário de segurança da época. Um dossiê com toda a estrutura de violência e mandos de mortes ficou na guarda de Dom Waldyr. Fato que também fez proteção ao Aurélio. Mais tarde, o esquadrão morreu de ‘autofagia criminal’.

Depoimentos colhidos entre os dias 15 e 25 de julho de 2020.

Por: José Maria da Silva, o Zezinho.

Compartilhe:

4 comentários em “Dom Waldyr Calheiros completaria 97 anos na quarta, 29/07.”

  1. Maria Marcelina B de Carvalho

    Eu também tive o prazer , a felicidade, a alegria e o privilégio de ser discípula do santo pastor Dom Waldyr. Agradeço a Deus por ter me concedido a graça de receber seus ensinamentos e o mais importante, vive Los na prática. Obrigada Dom Waldir. Sou Maria Marcelina B de Carvalho, mais conhecida como a Lia do Retiro.

  2. Conheci D. WALDIR na greve de 79 dos “Peões das empreiteiras da CSN”, se colocou de forma extraordinária a disposição dos trabalhadores e mobilizou as Comunidades Eclesiais de Base para a solidariedade e apoio irrestrito aos grevistas.
    Com Padre Pedro construímos a Pastoral Operária e levamos a todas as comunidades o debate sobre o mundo do trabalho.
    A memória e os ensinamentos de D. WALDIR continuam vivos e e nos fortalecem nesses tempos sombrios.

  3. João Tomáz A.F. da Costa

    Tive o privilégio de acompanhar Dom Waldyr no difícil processo de privatização da CSN.
    Maior líder que conheci, homem sábio de Deus com suas palavras simples enfrentou canhões da Ditadura ,protegendo trabalhadores e os mais humildes.
    Deixou uma história digna das Escrituras que tanto defendia e pregava com louvor.
    Salve nosso grande Pastor .

  4. Tambem tive a benção de conviver com Dom Waldyr como uma ovelha do seu pastoreio.
    A sua presença iluminava o
    Ambiente e as suas palavras norteavam a verdadeira missão espiritual e social de nossa Igreja Católica na Diocese.
    Dom Waldyr, presente !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.