A história da curva do rio de volta redonda

Volta Redonda: 1.8 bilhões de anos atrás até o presente

Ontem, dia 18/07, cerca de 90 pessoas acompanharam a exposição do prof. André Negrão, volta-redondense, Doutor na área de geologia e ligado à Universidade de São Paulo (USP) na sua palestra sobre a “História Geológica de Volta Redonda: das Rochas à Curva do Rio Paraíba do Sul”. O evento online faz parte do projeto ambiental socioeducacional do MEP, coordenado pela profa. Sílvia Real, geóloga.

A mediadora Sílvia lembrou do aniversário da cidade e importância de Volta Redonda sobre vários aspectos. Filha da cidade, fez memória ao legado deixado pelos que aqui já viveram, inclusive os índios Púris e Coroados.

“Hoje agradeço a presença dos moradores, acadêmicos e ambientalistas, e em especial ao aceite do professor André. Nós vamos mergulhar nas nossas ‘raízes geológicas’, será o presente do MEP à cidade no alto dos seus 66 anos”. Comentou a geóloga ao dar a palavra ao palestrante.

O prof. André Negrão, de forma muito didática, durante 1h10min apresentou o passado geológico de Volta Redonda e região. O palestrante procurou sistematizar a história das rochas de Volta Redonda que variam de 1.8 bilhões de anos até os sedimentos recentes (atuais), dividido no tempo geológico de forma bastante espaçada.

O momento mais esperado da palestra foi a explicação da curva do rio que deu nome à cidade. O professor explicou que esta curva é uma imposição estrutural tectônica, não foi um movimento natural do rio. Essas estruturas marcam a região e se apresentam como linhas/falhas geológicas que controlam o relevo (mar de morros) e também o sistema de drenagem. Possivelmente a falha que afetou a curva do rio é bem recente no tempo geológico, não mais do que 20 mil anos. André Negrão salientou “Nada está isolado, precisamos entender que a configuração sinuosa do rio Paraíba foi fruto de milhares de anos de movimentações lentas, os processos geológicos são amplos e complexos”.

Aurélio Paiva, jornalista e presidente do jornal Diário do Vale, presente na palestra cumprimentou o professor André, agradeceu a brilhante exposição e propôs a equipe um debate mais abrangente aberto à comunidade:

“Quero propor ao MEP, aos professores André, Sílvia, Renato e Maria Naíse que façamos uma através de uma plataforma mais abrangente um debate aberto à comunidade, é muito importante ligar à ciência à população. Coloco a estrutura do Jornal para realizarmos isto em breve, e poderemos envolver outros veículos de comunicação da região”

Confira a íntegra do evento:

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.