Ciencias exatas MEP

‘Escola MEP’ liga ciências exatas a saúde, a poesia e a filosofia no ensino aprendizado

Os professores de física e matemática do Pré-Vestibular Cidadão, ontem (4), de forma magistral apresentaram aos alunos aulas transversalizadas, dentro da semana de sensibilização. As ciências exatas se entrelaçaram na ligação sociocomportamental, poética e filosófica.

Na abertura da sala, Juliana Resende, professora de matemática e coordenadora do Núcleo do Retiro, na sua preleção de abertura, desafiou os estudantes à desmistificarem os ‘bloqueios’ para com as ciências exatas:

“Aqui ajudaremos vocês a desmistificarem ‘medos, traumas e preconceitos’, que muitos carregam relativos à matemática e física”, sinalizou Juliana ao apresentar sexteto de matemática do MEP – Paulo, Niele, Bianca, Edinara, Juliana e Robson.

Na sequência convidou o prof. Paulo Ricardo Ramos, mestre em física para apresentar a sua dissertação de mestrado sobre – ‘Ensino de sons baseado no uso de equipamentos auriculares’. Atentos os 50 alunos, na medida que ouviam a apresentação e localizavam os impactos à saúde, provocados pelo volume alto dos fones de ouvidos e/ou equipamentos de sons, reagiam.

Na medida da habilidosa apresentação do mestre, mudanças de atitudes começaram em sala. No chat, vários alunos assumiram que mudarão seus hábitos. “Fazer ciência faz mudar nossas vidas. Eu mesmo mudarei de atitudes em relação a forma que como uso os meus fones de ouvidos.” Revelou a Juliana, acrescentando. “Percebem a importância da ciência, um produto acadêmico que provoca mudanças em nossas vidas. Fazer ciência é isto, aprender com ela. Não negá-la.” Comentou Juliana ao agradecer e elogiar o mestre pelo brilhante trabalho.

Para fechar a ‘noite de luzes’, Edinara Boff, professora de matemática e mestranda em física apresentou a experiência educacional do projeto “Poetar com Filofísica”, realizado na escola onde trabalha.

“O trabalho buscou provocar nos alunos visões lúdicas ao observarem diferente descobertas ligadas à ciência da física, e a partir delas conectando o tempo, foram provocados para criarem poesias a partir das associações.” Explicou Edinara ao apresentar o trabalho inédito.

“Os produtos criados pelos alunos, muitos deles estão nos instagram e facebook de alguns, tamanho envolvimento deles”. Comentou animada Edinara, mostrando os prints de textos produzidos interligados à ciência, poesia e filosofia.

Juliana, os professores e também os alunos reagiram elogiando grandemente diante da experiência educacional. Vitoria Fortini, acadêmica de pedagogia, ex-aluna e atual colaboradora no MEP, comentou sobre a exposição da equipe:

“Os professores Paulo e Edinara, em suas apresentações fizeram reflexões importantíssimas no ponto de vista pedagógico, dialogando sobre inclusão, desmistificando as polarizações à cerca do ensino das ciências exatas. Educar é exatamente isso, criar aproximações.” 

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.